escola-brasileira-de-games-diferença-amador-profissional-de-games

24 diferenças entre um amador e um profissional de games

Em Carreira, Game Dev por André Avelino

Nada contra quem pensa em um projeto como passatempo ou hobby, mas se o objetivo do projeto é gerar receita e sustentabilidade financeira, você deve pensar de forma profissional e agir como tal

OK, você já decidiu ser um profissional de games: se sente confortável com suas habilidades técnicas, já pesquisou um pouco sobre o mercado de games e as oportunidades profissionais que ele oferece, e já tem na cabeça idéias para um jogo super inovador que ninguém nunca pensou antes.

Além disso, você já tem os conhecimentos necessários, já sabe qual plataforma e ferramentas que vai usar para desenvolver seu jogo, já pensou no time, já rascunhou até um cronograma de produção e um plano financeiro e já tem até algumas idéias para lançar o game com pouca ou nenhuma ajuda: de quebra, ainda conseguiu sacar R$ 5 mil de FGTS dos empregos anteriores para abrir seu negócio. Ótimo!

Eu diria que você já tem 5% do que precisa para seu negócio ter sucesso. Só 5%? Sim, e olhe lá! Para um profissional de games, ter à disposição conhecimento técnico, recursos e boas idéias são fundamentais, mas não valem nada e serão inúteis se você não tiver o ingrediente secreto para ser um empreendedor de sucesso e fazer com que todos os elementos acima sejam aproveitados: a ATITUDE de um profissional!

escola-brasileira-de-games-diferença-amador-profissional-de-games

O segredo para ser um profissional de games, e também em qualquer outra área, é ter atitudes de profissional. Isso pode parecer meio banal ou conversa para boi dormir, mas é a pura verdade. As atitudes de um bom profissional  ditam o espírito do negócio, motivam os colegas de trabalho, conquistam a confiança de parceiros de negócio e clientes. Vamos combinar: se estamos falando de negócios, estamos falando em ser profissionais e não amadores.

Infelizmente, não existe cartilha com uma lista de atitudes ou “regras de etiqueta”, (até existem boas dicas) , mas muitas vezes o bom senso é o mais indicado para todas situações. Mesmo assim, listo abaixo algumas comparações entre atitudes de um amador e de um profissional em diferentes aspectos:

Curso Gestão ágil pessoal e profissional

AMADOR:

1) Se inspira numa ideia para um jogo que teve durante um sonho;

2) Cria o jogo, independente se há mercado para ele;

3) Lança o produto e seja o que Deus quiser;

4) Promove o jogo esporadicamente até cansar de “fazer marketing”;

5) Vive fazendo perguntas desmotivadoras como “Por que minhas vendas estão uma m****?”

6) Só se aproxima e troca informações com outros que também estão performando mal para poder se confortar no fato de que não é o único que está indo mal;

7) Foca no aperfeiçoamento de disciplinas que mais gosta, por exemplo design ou programação, em detrimento de áreas que teriam aplicações importantes, como marketing e planejamento;

8) Busca conhecimento esporádico através de uma ou duas fontes ao invés de ir a seminários ou vídeo-aulas, por exemplo;

9) Guarda o melhor que tem em termos de conhecimento para si mesmo, como um tesouro, ao invés de compartilhar a informação e melhorar o nível da equipe;

10) Foca em gerar receita e fazer com que os jogadores gastem mais;

11) Enxerga os problemas como obstáculos;

12) Persiste nas dúvidas quanto ao sucesso: “Será que vai dar certo?”

PROFISSIONAL:

1) Faz uma pesquisa básica para determinar as melhores oportunidades para novos jogos;

2) Desenha um jogo que lhe inspira e atende às oportunidades de mercado identificadas;

3) Cria o jogo com base nos sistemas de venda e no plano de marketing que serão aplicados;

4) Promove o jogo sistematicamente seguindo o plano de marketing pré-estabelecido;

5) Faz perguntas desafiadoras: “Como posso aumentar minha receita em 20% ou mais?”

6) Se aproxima, estuda e aprende com aqueles que estão tendo bons resultados;

7) Faz uma análise pessoal de suas fraquezas e investe em aperfeiçoamento nessas áreas;

8) Identifica múltiplas fontes de conhecimento (cursos especializados, mentoria, associações, novas publicações e seminários, etc.);

9) Compartilha insights e conhecimento com a equipe e com outros. Pratica a arte de ensinar;

10) Foco em atender às necessidades e expectativas dos jogadores e criar valor agregado;

11) Enxerga os problemas como oportunidades;

12) Persiste na confiança e no pensamento positivo: “O sucesso é inevitável!”.

Como você pode observar, as atitudes que diferenciam amadores de profissionais apresentam-se num contexto mais psicológico e de desenvolvimento pessoal, que nada tem a ver com capacidade técnica e disponibilidade de recursos materiais.

É o pensamento transformado em ações que representam aqueles 95% do caminho que faltam para atingir o sucesso.

Post original: http://escolabrasileiradegames.com.br/2014/07/31/a-diferenca-entre-ser-um-amador-ou-um-profissional-de-games/

Aprenda como ser um profissional de games, desenvolver os conhecimentos necessários e identificar oportunidades de negócio no curso Introdução à Produção de Games

Curso Introdução à produção de Games

Escola Brasileira de Games (EBG) é uma plataforma de ensino, treinamento e aperfeiçoamento de conhecimento nas áreas de gestão empresarial da indústria de jogos, aplicativos mobile e negócios digitais.

Quer conhecer a trajetória de um grande profissional brasileiro de desenvolvimento de games ? Brasileiro na Unity 3D Dinamarca: Entrevista com Felipe Lira

Coordenador de Marketing, Eventos e Cursos na Escola Brasileira de Games. Venho me dedicando à construção de relacionamentos e transmissão de conhecimentos empresariais a profissionais e estudantes do mercado de jogos digitais e desenvolvedores de aplicativos.

Deixe uma resposta